Senador Romário tenta cancelar eleição da Confederação Brasileira de Futebol

Assessoria de Imprensa
Notícias

A menos de 15 dias para a aclamação de Rogério Caboclo como presidente da CBF, o senador Romário (Podemos-RJ) promete ir à Procuradoria-Geral da República para entregar uma representação na qual pede o cancelamento da eleição na entidade máxima do futebol brasileiro, marcada para 17 de abril. A solicitação também tem assinatura do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

O argumento do Baixinho é alegar que houve fraude na alteração do estatuto da CBF, que mudou o peso dos votos na eleição, atribuindo peso três para as federações, dois para os clubes da Série A e mantendo o valor unitário para as equipes da Série B. Desta forma, as 27 federações, sozinhas, são maioria em relação aos 40 clubes.

A assembleia que mudou o estatuto da CBF não teve a presença dos clubes. Uma tímida mobilização foi feita à época por alguns dirigentes, mas o assunto foi contornado pelos cartolas ligados à entidade.

Romário marcou para hoje (dia 4)  o encontro com o subprocurador-geral da República, Carlos Alberto Carvalho de Vilhena Coelho, em Brasília. Os senadores Randolfe, José Medeiros (Podemos-MT), Magno Malta e os deputados Otávio Leite, Silvio Torres, João Derly e Ezequiel Teixeira (Podemos-RJ) também participam da reunião.

Romário e outros congressistas defendem que, à luz das alterações da Lei Pelé trazidas pelo Profut, a CBF teria que fazer a mudança do estatuto com a presença dos clubes. A entidade, no entanto, defende o ponto de vista de que a obrigação legal só prevê quórum com clubes em assembleias eleitorais e não nas ordinárias.

Internamente, a entidade ainda considera equivocado o movimento de questionar a realização da eleição por entender que é um assunto distinto à mudança estatutária. O discurso é que nunca esteve em discussão ou houve qualquer dano ao rito eleitoral e seus respectivos prazos e exigências.

Com a realização do pleito no dia 17, Rogério Caboclo, atualmente diretor executivo de gestão da entidade, será eleito com mais oito vice-presidentes. A candidatura foi protocolada com o apoio registrado de 25 federações e 37 clubes.