História

História

O Podemos tem a genética das grandes transformações, herdada de um partido que sempre lutou pelos direitos dos cidadãos. Ao longo da história política deste País, o progenitor do Podemos, o PTN, teve trajetória irretocável de lisura e conduta, assumindo a frente de importantes causas que fortaleceram o desenvolvimento da Nação.

O partido, inspirado na liderança de sua presidente, Renata Abreu, novamente assume o papel de vanguarda na história do Brasil. Ciente da crise de representatividade que assola o País e levando em conta a revolução tecnológica que transforma cada vez mais o modo de viver em sociedade, coloca-se à frente desse processo.

O Podemos nasce com o DNA da coletividade e assume o compromisso de hastear as bandeiras da Transparência, Participação e Democracia Direta, convicto de que, por meio de nossas plataformas digitais, é capaz de conectar em tempo real o sistema político e a sociedade brasileira e, juntos, decidir os rumos de nossa Nação.

Conheça a história do partido

1945

  • Em 6 de outubro de 1945, o Tribunal Superior Eleitoral concede ao PTN seu registro provisório. Adalberto Lima Leite é o seu primeiro presidente. Apenas um ano mais tarde, em 22 de outubro de 1946, o PTN obtém seu registro definitivo.

19501958

  • Em 1950, o PTN elege cinco deputados federais em São Paulo e um em Goiás, além de nove deputados para a Assembleia Legislativa de São Paulo;
  • Na mesma época, o partido se coloca à frente do movimento popular pelo congelamento dos preços e da campanha nacionalista ‘O petróleo é nosso’;
  • Em 1954, o PTN lança Jânio Quadros ao governo de São Paulo, com a marchinha ‘Varre, varre, vassourinha’;
  • No mesmo ano, elege cinco deputados federais;
  • Em 1956, o apoio do partido ajuda na eleição do presidente Juscelino Kubitschek;
  • Em 1958, o partido apoia Carvalho Pinto, eleito governador, e elege oito deputados.

19601965

  • Em 1960, o PTN é o primeiro partido a registrar a candidatura de Jânio Quadros à Presidência da República, que assume a Nação em 31 de janeiro de 1961;
  • Em 25 de agosto de 1960, Jânio Quadros não se curva a interesses escusos e renuncia ao cargo;
  • Em 7 de setembro de 1961, João Goulart assume a Presidência do Brasil, mas, três anos depois, é deposto pelo golpe militar;
  • Em 27 de outubro de 1965, o velho PTN é extinto pelo Ato Institucional nº 2, que inaugura a era do bipartidarismo, com Arena e MDB;
  • No ano seguinte, Dorival de Abreu é eleito deputado federal pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB).

19952004

  • Em 25 de maio de 1995, Dorival de Abreu e um grupo de idealistas recriam o PTN;
  • Em 1988, o partido lança à presidência da República a paulista Thereza Ruiz;
  • Em 1999, José de Abreu, deputado federal por duas vezes seguidas pelo PSDB, aceita convite do irmão Dorival e filia-se ao PTN.

20062013

  • “Só quem tem um passado de luta pode ter um compromisso com o futuro”, costuma dizer José de Abreu, que assume a missão de reestruturar o partido e levá-lo de volta a ocupar cargos importantes;
  • Em 2006, o PTN apresenta o candidato a governador Fred Corrêa em São Paulo. Nesse ano, elege seis deputados estaduais no País;
  • Em 2008, são eleitos 16 prefeitos e 320 vereadores;
  • Em 2010, o PTN elege seis deputados estaduais;
  • Em 2012, são 12 prefeitos e 428 vereadores do PTN em todo o Brasil;
  • Em 2013, com a jovem Renata Abreu à frente do comando do partido, tem início o projeto partidário que visa o crescimento do partido e a conquista maiores espaços na política nacional.

2014hoje

  • Em 2014, são eleitos quatro deputados federais, em primeiro mandato;
  • No começo de 2016, graças ao intenso trabalho de articulação feito ao longo do ano anterior pela presidente em exercício, a deputada federal Renata Abreu, torna-se o partido com o maior crescimento entre as legendas com representação na Câmara dos Deputados, mais de 300%, saltando para 13 deputados federais;
  • Começa 2017 com 2.324 executivas municipais, 760 vereadores, 30 prefeitos, 54 vice-prefeitos e 17 deputados estaduais;
  • Em maio de 2017, o Tribunal Superior Eleitoral autoriza o PTN a mudar de nome para Podemos. E com três senadores e 16 deputados federais no Congresso, dá início a um novo jeito de fazer política, alicerçado em três princípios: Transparência, Participação e mais Democracia Direta.